Tags

Divulgamos este arquivo de áudio inédito contendo a entrevista de Jota Alves de Oliveira com Zélio Fernandino de Moraes, na década de 1970, contendo diversos assuntos muito pertinentes à história da Umbanda, dando-nos a visão e o depoimento do médium do Caboclo das Sete Encruzilhadas sobre a história da religião.

É necessária certa dose de paciência ao ouvir o arquivo, mas pensando na importância deste registro para o movimento umbandista, o leitor poderá concluir que vale a pena  escutá-lo até o fim.

Agradecemos ao Alex Soares, dono do site e blog  Povo de Aruanda agrande ajuda e atenção dispensada.

Abs, Pedro Kritski e Renato Guimarães.

ADENDO: As fitas postadas no blog Registros de Umbanda,  foram gravadas pela senhora Lilia Ribeiro na década de 1970. Foram repassadas pela Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade à Mãe Maria, da Casa Branca de Oxalá, que gentilmente se disponibilizou em recuperá-las e digitalizá-las.O arquivo digital que disponibilizamos aqui nos foi cedido, gratuitamente, pelo senhor Alex,  autor do site e blog Povo de Aruanda.

——————————

——————————
Da fita ouvimos Zélio falar sobre:

A) O NOME DA RELIGIÃO:

– O nome original da religião foi Alabanda, onde Alá é uma palavra árabe que significa Deus e banda, do lado de. Logo, Alabanda significa Do lado de Deus. Esse nome foi dado pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, como uma
homenagem ao Orixá Mallet, que era malaio e muçulmano (Alá é a forma como os muçulmanos chamam Deus);
– Em 1909, o Caboclo das Sete Encruzilhadas muda o nome da religião de Alabanda para Aumbanda, substituindo a palavra árabe para Deus (Alá) para a palavra grega com o mesmo significado (Aum);
– Embora o nome dado pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas tenha sido Aumbanda, o que se firmou e acabou sendo divulgado foi Umbanda;
– Não há nenhuma ligação do nome da religião com o sânscrito ou com o quimbundo, apenas com o árabe e com o grego, segundo a explicação do Caboclo das Sete Encruzilhadas.

B) SOBRE A DESCENDÊNCIA DA TENDA ESPÍRITA MIRIM E O SEU FUNDADOR BENJAMIM FIGUEIREDO E A  SUA RELAÇÃO COM A TENDA ESPÍRITA NOSSA SENHORA DA PIEDADE:

– Segundo o antigo site da Tenda Espírita Mirim, Benjamim Figueiredo recebeu ordens do Caboclo Mirim, em 1920, na sessão espírita que a família dele desenvolvia, que aquela seria a ultima sessão espírita da família e que daquele momento em diante eles deveriam trabalhar com Aumbanda;
– Apenas em 1924 Benjamim Figueiredo funda a Tenda Espírita Mirim, 4 anos após ter recebido ordens do Caboclo Mirim;
– Pela fita, ouvimos Zélio contar que Benjamim passou a frequentar a Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade (TENSP) a tenda de Zélio para que Zélio o desenvolvesse na Aumbanda. Em uma dessas ocasiões, Orixá Mallet, incorporado em Zélio, pegou Benjamim e, carregando-o nas costas,  meio quilômetro e o atirou no mar, tendo, logo após o fato, dito que Benjamim já estava pronto pra começar a trabalhar com Aumbanda;
– podemos supor, então, que antes de Benjamim começar a trabalhar com Aumbanda, ele foi aprender com Zélio, Caboclo das Sete Encruzilhadas, Pai Antônio e Orixá Mallet, explicando o porquê dele demorar 4 anos para cumprir a ordem do Caboclo Mirim;

C) A ENTIDADE PAI ROBERTO E BENJAMIM FIGUEIREDO

– Pela fita, ouvimos que a entidade Pai Roberto, trabalhava com um médium do bairro de Alcântara, São Gonçalo, RJ, antes de passar a trabalhar com Benjamim Figueiredo;
– Ainda segundo a fita, quando da visita de Benjamim ao terreiro do citado médium, a entidade Pai Roberto, incorporada, disse a Benjamim que ele abandonaria o cavalo (médium) dele e ia passar a trabalhar através da mediunidade do Benjamim, abandonando o médium anterior e os trabalhos de feitiçaria que fazia através dele.
Anúncios