Peço desculpas a todos os que aocmpanham o blog por não ter colocado esse assunto aqui antes. Sei lá porque cargas d’água não o fiz antes. Mas vamos logo ao assunto do título: sim, Zélio de Moraes, foi vereador.

Como é bem provável que a maior parte de vocês, nossos leitores, também acompanhem o blog Povo de Aruanda, escrito pelo amigo Alex (que talvez vocês conheçam pelo pseudônimo de Cigano das Almas ou Alex de Oxóssi), vocês devem conhecer o resultado da pesquisa que eu e o Edenilson fizemos sobre essa parte da história do Zélio que era desconhecida fora da família dele ou do círculo de amizade mais próximo dele. Então vamos explicar como chegamos lá.

Em dezembro de 2008, eu estava lendo a versão online de dezembro da Revista de História da Biblioteca Nacional, quando me deparei com a matéria “O pai da Umbanda”, escrita pelo senhor Jorge Cesar Pereira Nunes que, se vocês desejarem, podem ler aqui: http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/?go=detalhe&id=2111

Para quem não quiser ler a matéria completa lá, vou destacar aqui o trecho ligado ao título deste post:

” (…)

Zélio, entretanto, não se dedicava apenas à umbanda. Como era norma não receber recompensa pelo bem distribuído, também trabalhava como comerciante. Em 1924, fez uma incursão na política e foi eleito vereador. Três anos depois, foi reeleito e escolhido por seus pares para ser secretário do Legislativo gonçalense. No poder público, dedicava-se principalmente à difusão de escolas públicas, tanto que ele mesmo criara uma, gratuita, de curso primário, em seu centro espírita para atender as crianças de Neves.

(…)”

(FONTE: NUNES, J. C. P. O pai da Umbanda. Revista de História da Biblioteca Nacional. Disponível em <http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/?go=detalhe&id=2111&gt;. Acesso em 28 dez. 2008)

Bom, de posse de tal informação, a levei para a comunidade Umbanda Sem Medo, do meu amigo Cláudio Zeus, uma das pouquíssimas comunidades do orkut da qual participo (não, não gosto de orkut!), para compartilhar com o pessoal de lá.

Entre as pessoas de lá que leram e ficaram hiper empolgadas com algo totalmente novo sobre a vida de Zélio, estava o meu amigo Edenilson Francisco, vulgo Tio Deni, que decidiu descobrir mais sobre aquele fato e reseolveu escrever um e-mail para o autor daquele artigo.

Em contato por e-mail, o senhor Jorge Nunes passou ao Edenilson a versão original do seu artigo contendo a vida política de Zélio de Moraes que o mesmo descobriu pesquisando a história da Câmara Municipal de São Gonçalo. O curioso dessa história toda é que o senhor jorge Nunes é católico praticante e sem quaisquer ligação com a Umbanda. Provavelmente, se 2008 não fosse o ano do centenário da Umbanda do Caboclo das Sete Encruzilhadas, e o nome Zélio não estivesse tão em evidência, talvez o pesquisador jamais tivesse percebido que um daqueles vereadores havia sido o médium através do qual a Umbanda surgiu.

Mas voltemos a contar o nosso causo. Ainda nesse e-mail, o senhor Jorge passou duas fotos de Zélio, de agosto de 1929 (para quem não sabe é a mesma que ilustra o nosso blog, logo ai em cima), publicadas no jornal “A Gazeta”, quando era anunciada a candidatura dele à reeleição. Após esse contato, e de enviar cópia dos e-mails para mim, o Tio Deni colocou o conteúdo dos mesmos na comunidade Umbanda Sem Medo, bem como as fotos de Zélio em 1929.

Com base no que disponibilizamos, o Alex escreveu um texto para o blog dele (Povo de Aruanda) e, antes de publicar, pediu autorização ao senhor Jorge, como também fez algumas perguntas, as quais ele disponibilizou, junto com as respostas, em seu blog, que você poderá acessar aqui: http://povodearuanda.wordpress.com/2009/02/02/zelio-de-moraes-foi-vereador/. A partir daí, a matéria ganhou o mundo.

Então, o que sabemos sobre esse período da vida de Zélio? Vamos lá:

  1. Com o intuito de ajudar a população de seu município, Zélio de Moraes se candidatou a vereador de São Gonçalo em 1924, sendo eleito em 18 de maio. Conforme normas legislativas da época, sua posse ocorre no dia 06 de junho do mesmo ano, com término do mandato em 30 de abril de 1927. Como vereador, dedicou-se principalmente à difusão de escolas públicas no município em que residia. Tamanha foi sua dedicação a este tema, que criou uma escola totalmente gratuita, de curso primário, funcionando na Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade, para atender as crianças do bairro de Neves;
  2. Buscando continuar o trabalho que vinha fazendo no legislativo de São Gonçalo, de difusão das escolas públicas no município, Zélio se candidatou à reeleição, logrando êxito no pleito de 10 de abril de 1927. Conforme normas legislativas da época, sua posse ocorreu no dia 30 de abril do mesmo ano, com término do mandato em 31 de dezembro de 1929;
  3. Buscando continuar o trabalho de difusão das escolas públicas no município, o qual se dedicara nos dois mandatos anteriores, Zélio se candidatou novamente à reeleição no pleito de 01 de setembro de 1929, porém, dessa vez, não logrou êxito. Após essa derrota nas eleições, Zélio de Moraes abandonou a política.

E essa é a história de como foi descoberta e divulgada a passagem de Zélio de Moraes pela política.

Abraços a todos, Renato Guimarães.

PS: em breve volto a escrever sobre as memórias das tendas de Umbanda no Brasil.

Anúncios